Passar em um teste de usuário remoto não moderado

O teste remoto de usuários está sendo cada vez mais praticado: com o Covid, fomos além da automação do presencial, e esse tipo de teste possibilita questionar perfis em vários países sem viajar ou recrutar equipes nesses países.

O teste não moderado é um teste remoto, bastante reservado para um contexto B2C, onde o usuário fica sozinho em frente à sua tela e seguirá um conjunto de instruções composto por tarefas e perguntas orais ou escritas, em total autonomia. Neste artigo, discutiremos o teste qualitativo não moderado, mas algumas plataformas permitem que testes quantitativos sejam realizados em várias centenas de pessoas.

 

Quais benefícios?

Ganho de banda...

Um teste não moderado não mobiliza um UX Researcher para moderação, economizando tempo nas sessões de teste, bem como na preparação inicial: não há necessidade de aprender o protocolo ou treinar para acompanhar os participantes neste protocolo.

… Então, às vezes, uma economia de tempo

O ganho de largura de banda para o UX Researcher pode se traduzir em economia de tempo e entrega mais rápida. Mas se uma sessão não for conforme o planejado – o participante não se encaixa no objetivo ou não completou as tarefas – um substituto deve ser encontrado, o que aumenta o tempo do teste.

Sem cancelamentos ou não comparências

Geralmente durante um teste não moderado, o participante não é observado em tempo real e não precisa se inscrever em um horário específico. Eles podem iniciar o teste quando quiserem e onde quiserem. Essa flexibilidade pode ser útil ao recrutar perfis complicados, que não têm tempo e correm o risco de cancelar no último momento.

Perto do contexto real de uso

Como em todos os testes remotos, o participante geralmente está em seu ambiente e usa seu próprio dispositivo: isso elimina os preconceitos do laboratório e dos dispositivos de teste. Durante um teste não moderado, o participante também escolhe seu momento com muita liberdade, não é observado durante o teste e, se muitas vezes é solicitado a pensar em voz alta, não é em uma troca com uma pessoa desconhecida, mas sozinho com a interface. O cenário de teste permanece imposto, mas estamos o mais próximo possível do uso real em um contexto de teste.

Quando você deve optar por realizar um teste de usuário não moderado?

A interface testada é simples

Ninguém estará lá para orientar o participante, explicar a interface, esclarecer um ponto ou responder suas dúvidas. É claro que os mal-entendidos do usuário fazem parte dos dados coletados durante qualquer teste e não devem ser absolutamente evitados, mas deve-se garantir que o usuário possa executar todo o protocolo sem ser bloqueado em uma etapa.
Uma interface ou curso simples a ser testado, ou seja, composto por poucas telas e interações usuais para o usuário, também permitirá privilegiar sessões curtas de 20 a 30 minutos, ideais para esse tipo de teste.

O protocolo é muito linear

Durante um teste moderado, o protocolo pode ser muito aberto, as tarefas realizadas em uma ordem diferente para cada participante, as perguntas feitas no momento em que fazem sentido na interação do participante com a interface. O protocolo pode ter diferentes ramificações dependendo das ações anteriores do usuário. No entanto, durante um teste não moderado, a sequência de tarefas e perguntas é fixa, não sendo possível adaptar o teste ao longo do caminho. O protocolo deve ser capaz de operar em uma ordem específica independente das ações do usuário e seu caminho na interface.

A interface testada não é um protótipo

É melhor evitar testes de protótipos quando você está à distância, especialmente em protótipos muito estáticos como InVision, Marvel… O usuário pode ficar preso, é difícil eliminar todos os becos sem saída. O usuário muitas vezes pensará que está em uma interface real, mesmo que expliquemos a ele na introdução. Os limites do protótipo geram, assim, uma grande interferência: o usuário corre o risco de perder tempo comentando sobre eles, sem distingui-los do que diz respeito ao UX do produto.

Não temos um UX Researcher na equipe

Esta é uma razão muito ruim para escolher o teste não moderado. A expertise do UX Researcher não se limita à moderação do teste, mas a tudo o que acontece a montante e a jusante: recrutamento de participantes de qualidade correspondentes ao target, criação de um protocolo adaptado aos não moderados e análise de resultados. Construir um protocolo para um teste não moderado é mais difícil do que para um teste moderado porque deve ser autossuficiente: A expertise de um UX Researcher é essencial para realizar esta etapa.

Faça bem em seu teste não moderado

Escreva instruções claras

Para a redação de depoimentos, cenários e perguntas, encontramos as mesmas restrições que para a criação de um questionário: as instruções devem ser explícitas, precisas, inequívocas. O modelo BRUSO é uma boa ferramenta para avaliar suas afirmações.
Fonte: https://opentext.wsu.edu/carriecuttler/chapter/7-2-constructing-surveys/

Guie o usuário sobre os elementos certos

Além dessa abordagem de questionário, é necessário pensar na interface testada para garantir que a tarefa ou a pergunta não possa relacionar-se com outro elemento da interface. Para isso, é necessário conhecer bem a interface como um todo e testar seu protocolo upstream.

 

Teste o teste dele

Nada melhor do que testar seu protocolo em várias pessoas antes de iniciar o teste: ele será feito preferencialmente com parentes distantes do assunto, ao invés de colegas que conheçam a interface. Os testes-piloto devem estar próximos da situação de teste: deixamos as pessoas por conta própria. Se forem feitas correções, voltamos a testar com novas pessoas para validar.

Não dê muita importância à sua mensagem introdutória

Os testadores tendem a ler na diagonal. Isso vale para as instruções e as perguntas que, como vimos, devem ser claras e concisas, e é ainda mais verdadeiro para a introdução, que será, na melhor das hipóteses, superficial. Evite incluir informações importantes, principalmente se não forem repetidas posteriormente.

Tirar

O teste de distância não moderado é um método valioso para testar cursos simples de forma rápida e eficiente. Vale a pena incluir em sua panóplia de métodos de pesquisa de usuários e ativá-los na hora certa.
Desafiador em termos de implementação, deve ser pilotado por um experiente UX Researcher.

 

 

 

 


Marie EUZEN, UX Designer @UX-Republic


Nossos próximos treinamentos