Encontro com Domitille, UI-UX Designer da UX Republic.


Hoje, você descobrirá o retrato de Domitille. Uma jovem curiosa, criativa e atenciosa que conheci graças ao nosso intercâmbio. Nos encontramos várias vezes durante os diversos eventos da agência e fico muito feliz em poder lançar alguma luz sobre sua carreira!


Olá Domitille, você pode apresentar sua história em poucas palavras?

Sou designer de UI-UX na UX Republic há pouco mais de dois anos e trabalho como designer de UI há cinco anos.

Sou UI Designer por formação. Quando cheguei na UX Republic, segui a formação em UX Design e me formei para atender a uma forte necessidade dos clientes em ter as duas especialidades.

Há um ano e meio trabalho em uma revista cultural francesa. É um veículo de crítica e notícias culturais, que faz parte do grupo jornalístico Le Monde.

Faremos um pequeno histórico antes de entrar em detalhes sobre sua missão. Qual foi sua formação educacional para se tornar um UI-UX Designer?

Após o colegial, fiz um BTS em comunicação visual, uma especialidade multimídia por dois anos. Então, continuei por mais dois anos para obter um Diploma Superior em Artes Aplicadas, Criador-Designer em Design Gráfico.

Posteriormente, fiz estágios e comecei a trabalhar em agências.

Que direção você tomou para seguir o caminho do UI Design?

No fundo, queria fazer gráfica impressa e, quando procurei as escolas para fazer os cursos de formação, descobri as especialidades multimédia que mais me interessavam e por isso comecei.

Quando comecei minha formação, já estávamos começando a criar interfaces de sites. E quando fiz meus últimos dois anos, era muito mais baseado em design gráfico.
Quando deixei meus estudos, eu tinha um título de designer gráfico web designer.

Foi depois, quando comecei a trabalhar, que me especializei em web design. Após dois anos de experiência, surgiu o termo UI designer e comecei a fazer o 'switch'.

Você me disse anteriormente que tinha o chapéu duplo UX – UI, onde aprendeu os métodos UX – UI?

Muita autoformação porque, antes de chegar à UX Republic, estive vários anos numa agência de comunicação, e foi aí que o software começou a evoluir.

Lembro que, na época, tínhamos feito um treinamento para mudar para o Sketch. Foi quando fizemos a transição para o termo “UI Designer”.

O que você mais gosta no seu trabalho do dia-a-dia?

Sempre a especialidade de UI Design, já que minha formação principal continua sendo design, gráficos e design em geral.

Em termos de tarefa, é um pouco relacionado, é a fase de design quando um cliente ainda não tem uma identidade. Acho essa a fase mais interessante. Viemos trazer um universo visual que corresponda ao pensamento de uma marca.

E também quando você muda completamente! Quando você tem algo existente e o transforma em algo mais novo e fresco, que ainda se encaixa na marca.

Você tem esse tipo de missão atualmente?

Sim ! No momento, estamos reformulando o site e o aplicativo. Como é um redesenho global, começamos com a página inicial e as páginas de artigos.

É um grande projeto e é muito interessante colocar as mãos em algo tecnicamente bastante complexo.
Um site de mídia não é como sites de comércio eletrônico e outros porque há muitas restrições técnicas. É um desafio superar essas restrições para trazer um toque de design.

Você sabia dessas restrições? Você os antecipou?

De momento, conhecemos os constrangimentos e antecipámo-nos.

Estou com eles há um ano e meio, então já comecei a trabalhar em projetos para reformular o processo de assinatura. Foi então que descobri certas restrições.

Então você chegou à UX Republic em junho de 2020, o que norteou sua escolha para se juntar a nós?

Eu já sabia, mas de longe. Eu naveguei pelo blog de vez em quando.

Fui contatado pelo RH e foi feito de forma bem simples, por meio de troca. Houve uma boa sensação com o meu primeiro treinador e senti que havia um bom ambiente.

Também tinha vontade de aprender coisas novas e fazer consultoria.
Em uma agência, mudamos de projeto toda semana, são como mini missões. Como resultado, eu estava interessado em estar com um cliente e poder ficar lá por muito tempo para realizar um projeto de longo prazo.

Você ingressou nas equipes em junho de 2020. Então, como você vivenciou sua chegada à UX Republic e sua missão neste contexto de crise de saúde?

Dentro da revista cultural, existe uma política de teletrabalho bastante flexível, com vários dias por semana. Há um bom entendimento e confiança nas equipes, então as coisas estão indo bem. É bastante fluido, aproveitamos para poder fazer vídeo.

Seu método e suas ferramentas de trabalho evoluíram após esse período?

Nas agências de comunicação onde trabalhei antes, já fazia teletrabalho por isso não houve grandes mudanças, embora não fossem períodos tão longos.

Não ver seus colegas regularmente e não ter uma conexão social é um pouco doloroso. Mas fazemos muito mais visios no Google Meet, virei especialista na ferramenta!

E então veio o Figma, que é muito mais interativo com comentários integrados, o que facilita muito o trabalho remoto. Enquanto antes, você tinha que mostrar sua tela e, portanto, estar próximo ou enviar um arquivo enorme.

Ferramentas de produção como Sketch e Figma foram mencionadas várias vezes.
Com sua função de UX Designer, você conduz workshops? E de repente, como você vivenciou as oficinas remotas?

Fiz muito pouco workshop e nunca à distância. Muitas vezes, era na casa do cliente, com post-its.

Por outro lado, realizamos entrevistas com usuários remotamente. Foi mais complicado remotamente porque tínhamos um alvo de usuário bastante antigo, não foi fácil para eles.

Além desta revista cultural, você já fez algum outro trabalho na UX Republic?

Fiz uma mini missão de duas semanas para uma organização especializada em assistência à criação de empresas, que oferece microempréstimos para pessoas excluídas do sistema bancário tradicional.

Depois, participei de uma licitação para uma empresa francesa responsável pela comercialização e operação de sistemas de lançamento espacial, que deu certo.

E então minha missão atual começou.

Então, você está com seu cliente há muitos meses, isso deve mudar você em comparação com suas experiências anteriores.

No grupo há muitas coisas para fazer e tive a oportunidade de trabalhar em vários assuntos diferentes.

Sempre há novas necessidades porque as coisas não mudam há algum tempo, então há uma necessidade de rever as coisas em profundidade.

Quando cheguei à missão, trabalhava para outro título do grupo, um semanário francês, que tinha a mesma necessidade de uma reformulação global das vias de assinatura e do espaço do usuário.

Você pode nos contar mais sobre a organização de sua missão atual? Você trabalha em equipe?

Estou em equipe com outro consultor da UX Republic e formamos o pequeno departamento de design UI-UX da revista. Trabalhamos de forma modular para fabricar todos os nossos elementos.

Estar em dupla permite oferecer mais coisas ao cliente e desenvolver rapidamente o produto. No momento, estamos trabalhando no redesenho do site.

No modular, podemos falar sobre Design System de repente?

Sim, completamente. No fundo, já existia, mas enriquecemo-lo e redesenhá-lo, nomeadamente com novos componentes adaptados à futura carta visual.

É a primeira vez que você trabalha em uma missão de equipe?

Em uma agência de comunicação, trabalhei em equipe e me orientei.

Prefiro trabalhar em equipa para ter mais perspetiva daquilo que fazemos e isso permite-nos desafiar-nos a ir ainda mais longe.
Enquanto, quando você está sozinho, planeja tal e tal coisa durante a semana, não necessariamente tem tempo para fazer perguntas a si mesmo.

E então, é sempre bom ter feedback de alguém que faz a mesma coisa que nós e que faz as mesmas perguntas sobre um modelo.

Precisamente, nas suas missões ou experiências anteriores, houve algum projeto que o marcou mais do que os outros?

É uma pergunta difícil! Eu diria tudo, não poderei escolher!

Na verdade, depende porque todos chegaram a uma fase diferente do meu percurso profissional e trouxeram-me algo que me permitiu seguir em frente.

Vamos falar um pouco sobre os treinamentos que você pôde acompanhar na UX Republic. De quais você já participou? E acima de tudo, você conseguiu aplicar o que aprendeu em uma missão?

Acompanhei o treinamento “UX Design, os fundamentos” e depois fiz um mini-treinamento sobre testes com usuários.

Havia coisas que eu já sabia e praticava. É interessante rever essas noções e principalmente saber nomeá-las porque, às vezes, já aplicamos as noções mas não sabemos o nome teórico. E, claro, havia coisas que eu não sabia e que pude aplicar durante minhas missões.

Parece-me que também já esteve do outro lado, como treinador?

Primeiro me ofereceram para escrever um material de treinamento sobre design de interface do usuário e depois testei em treinamento interno para colaboradores da UX Republic. Depois disso, conduzi esse treinamento duas vezes para clientes.

Você gostaria de liderar outros treinamentos?

Sim, posso imaginar repetir a experiência. Foi a primeira vez para mim tão novo e desafiador. É sempre bom sair do quotidiano e poder falar com outras pessoas sobre o meu trabalho.

No final, enviamos algo a eles, mas eles também nos enviam graças aos seus comentários e perguntas.

Domitille, estamos quase terminando nossa pequena troca, antes de nos deixar, gostaria de fazer algumas perguntas rápidas que faço a todos:

A primeira pergunta, já tenho uma pequena ideia, mas vou te perguntar mesmo assim: UX Design, UI Design ou User Research?

UI Design, sem hesitação!

Sketch, Figma, Photoshop ou Adobe XD?

Depende, não vou ser tão direta! Para design de interface do usuário, seria 100% Figma. Mas eu amo o Photoshop para criar visuais e fotomontagem, é minha grande paixão.

Diretrizes iOS ou Android?

Como estou no iOS, é claro que vou falar sobre o iOS! Acho que em termos de interface é mais fluido para um usuário que não necessariamente se sente confortável com o digital.

Música ou nenhuma música quando você trabalha?

Música 100%, ouço muito porque acho que dá um ritmo. Sou muito mais produtivo quando estou de capacete. Às vezes, também ouço podcasts quando preciso de algum ruído de fundo.

Um livro, filme ou documentário em digital que você recomendaria?

Gosto de podcasts culturais que relatam fatos históricos. Você aprende as coisas trabalhando.

Desde que comecei a trabalhar nesta revista cultural, ouço um pouco mais podcasts de notícias como L'heure du Monde.

Você tem um designer ou um coletivo de designers que você segue nas redes sociais?

Antes sim, mas agora costumo consultar várias fontes. Instalei o Muzli para receber alertas de vários sites sobre o design que escolho seguir.

Como tem de tudo um pouco, acho interessante porque podemos nos inspirar em várias coisas diferentes, não necessariamente em algo relacionado à nossa profissão.

Domitille, terminamos! Obrigado novamente por nossa discussão! Deseja adicionar algo que não cobrimos?

(risos) Essa é uma boa frase final! Não, eu acho

nós fizemos o truque! Graças à você !

 

Alexa Cuellar, UX Designer @UX-Republic


Fontes de imagem: https://undraw.co/illustrations


Nossos próximos treinamentos