CALENDÁRIO DE UX – 1º DE DEZEMBRO – Encontro com Benjamin, UI-UX Designer da UX Republic.


Vamos conhecer o Benjamim! Um jovem que soube provocar sua chance de fazer um trabalho que gosta e que tem valor.

Sempre à procura de sentido nas suas missões, é hoje um UI-UX designer convicto, capaz de se adaptar às necessidades do cliente: experiência do utilizador, motion design, impressão ou fotografia não guardam segredos para ele.

Deixo você descobrir nossa troca e suas várias vidas que forjaram seu caráter engenhoso e perseverante.


Oi Benjamin, você pode apresentar seu histórico em poucas palavras?

Para me apresentar rapidamente, tenho 7 anos de experiência na web e um pouco mais em design gráfico. Entrei na UX Republic há quase 2 anos, onde tenho um perfil de designer UI-UX.

Faremos um pequeno histórico antes de entrar em detalhes sobre sua missão. Qual foi sua formação educacional para se tornar um UI-UX Designer?

Eu aprendi muito sozinho. Quando eu era pequeno, o que eu gostava eram histórias em quadrinhos e videogames, então primeiro quis me tornar um desenhista de quadrinhos quando estava na faculdade, depois um designer de videogame.

Não havia curso para isso, então recorri aos gráficos publicitários. Ingressei na escola secundária de comunicação visual Corvisart (Paris XIII), reconhecida no mundo do design gráfico. Me encontrei em algo que me agradou muito.

A vida fez com que eu tivesse que parar depois do meu CAP e comecei a trabalhar mas sempre aguentei, queria fazer design gráfico.

Os trabalhos que fiz durante esse período um tanto mais sombrio (fui vendedor, garçom, bartender, gerente de restaurante) agora me dão uma visão adicional do mundo do trabalho.

Como você passou do design gráfico para trabalhos mais voltados para a web?

Depois de alguns anos no design gráfico, comecei a me questionar. Eu tinha dificuldade em encontrar significado no que estava fazendo. Eu tinha a impressão de vender o vento, de fazer coisas bonitas mas não saber o que servia por trás disso além de vender marcas.

Então comecei a descobrir a web. Na época estávamos falando de web design, então tanto a parte do design gráfico quanto o desenvolvimento web. Graças ao site zero (que agora se tornou OpenClassrooms), comecei a me treinar nesse novo assunto.

Ingressei na Multimedia School (Paris IIIe) em regime de trabalho-estudo durante 1 ano, onde fiz a formação “Multimedia Artistic Director”. Aprendi toda a metodologia relacionada à experiência do usuário (persona, userFlow, wireframes, ….).

Você pode nos contar mais sobre essa primeira experiência durante o seu programa de trabalho-estudo?

A empresa para a qual trabalhava estava desenvolvendo um aplicativo de namoro, então aprendi a fazer o aplicativo com todas as restrições.

Éramos três (o chefe, um desenvolvedor e eu). O patrão estava sempre cheio de ideias! Fizemos vídeos de motion design, um site de demonstração e muitas outras coisas.

Também entendi rapidamente a importância da comunicação entre um desenvolvedor e um designer. Trabalhei de perto com a desenvolvedora do projeto, ela me ensinou muitas coisas.

O que você mais gosta no seu trabalho do dia-a-dia?

Ter significado no que faço. Procurarei entender necessidades, frustrações e agir para criar uma experiência melhor. Para mim, ali, melhoro o dia a dia das pessoas da minha pequena escala. Está em total contradição com o que eu fazia na publicidade.

Podemos dizer que você tem um perfil muito completo graças às suas diferentes experiências.

Na verdade, tenho muitos compromissos: saber como fazer vídeo em design de movimento, fazer branding que ajuda muito na interface do usuário, criar logotipos, gerenciar grades, …

É bom ter esse perfil multifacetado e permite entender outras profissões.

Que caminho você seguiu após seus estudos?

Comecei com um contrato permanente para um escritório de tendências bastante conhecido que trabalha internacionalmente. Tive contatos com desenvolvedores na Tailândia e me comuniquei com clientes em todo o mundo.

Eu era o único perfil digital, então tinha um escopo muito amplo (fazendo postagens para redes sociais, solução de problemas de computador, …) então não pude fazer tanto UX-UI quanto gostaria.

E na parte do design, no que você estava trabalhando?

Foram dois projetos, o site vitrine e a área do cliente. Na verdade, estávamos vendendo livros de tendências. Havia agentes em todo o mundo que vendiam esses notebooks e depois havia clientes que precisavam consultá-los. Na época, eram 12 fichários grandes, portanto muito pesados ​​e restritivos.

O objetivo era digitalizá-los em formato .PDF e disponibilizá-los online para apresentá-los aos clientes. E adicionamos recursos para download para estilistas (silhuetas, padrões, etc.).

Então, trabalhei por três anos como freelancer onde viajei por quase um ano onde trabalhei da América Latina e Ásia entre outros. Abriu minha mente para muitas culturas e me permitiu aperfeiçoar idiomas.

Você chegou à UX Republic em fevereiro de 2021, o que influenciou sua escolha de se juntar a nós?

Eu sabia o nome e tinha lido que a agência fazia parte das 5 maiores agências de UX design da França. Como queria me dedicar ao UX, respondi a uma oferta no Linkedin.

Então, como você vivenciou sua chegada à UX Republic e sua missão neste contexto de crise de saúde?

Eu vi o entusiasmo criado em torno do digital. Todos os clientes queriam estar presentes na Internet, ter o seu site e/ou a sua aplicação. Já que o mercado estava na nossa direção, o Covid acelerou tudo.

Seu método e suas ferramentas de trabalho evoluíram após esse período?

Como eu estava saindo de três anos de freelance e viajava, já estava acostumado com o ensino a distância com ferramentas remotas.

Desde sua chegada à UX Republic, quais foram suas missões?

Entrei para um grupo de empresas francesas, líder mundial na indústria do luxo, desde o início e estou lá até hoje. Atuo na criação de diferentes intranets para entidades do grupo como líder de UX-UI.

Trabalho assim em vários pequenos projetos e ao mesmo tempo acompanho a equipa na metodologia.

Também montei um Design System para os projetos. Criei uma base e por alguns meses, um designer da UX Republic juntou-se à missão de cuidar dela em tempo integral.

Se formos um pouco para o futuro, tendo em vista uma nova missão, para qual setor de atividade você gostaria de projetar interfaces?

Eu teria gostado de trabalhar para projetos de caridade e solidariedade. Projetos que tenham impacto na vida cotidiana me interessam.

E mesmo que não toque digital ou não completamente, como a viagem de um viajante em uma estação. Sabemos que hoje muitas coisas devem ser mudadas porque os hábitos mudaram.

Vamos falar um pouco sobre os treinamentos que você pôde acompanhar na UX Republic. De quais você já participou? E acima de tudo, você conseguiu aplicar o que aprendeu em uma missão?

Fiz o treinamento de Lean UX onde percebi que já estava aplicando a metodologia mas faltava o vocabulário certo.

E então passei na certificação Product Owner onde pude entender como os gerentes de projeto trabalham dentro dos meus projetos.

Benjamin, estamos quase terminando nossa pequena troca, antes de nos deixar, gostaria de fazer algumas perguntas rápidas que faço a todos:

Se eu pedisse para você escolher entre Sketch, Figma, Photoshop ou Adobe XD, qual você escolheria?

Figma sem hesitar! Por muitas coisas, principalmente pela ergonomia, pelas muitas opções como auto-layout, plugins e sua eficiência na prototipagem”.

Diretrizes iOS ou Android?

iOS para o lado da experiência. É mais fluido e minimalista, eu prefiro.

Música ou nenhuma música quando você trabalha?

Gosto de não ter som se estou em pesquisa com o usuário, mas assim que vou para a fase de interface do usuário, gosto de ter música.

Eu ouço muitas trilhas sonoras de filmes, especialmente listas de reprodução de Hans Zimmer. Acho isso muito inspirador.

Um livro, filme ou documentário em digital que você recomendaria?

Eu viajo muito de bicicleta, então ouço muitos podcasts. Por exemplo, “Design Journeys” que eu gosto muito. São episódios de uma ou duas horas em formato de entrevista com feedback, como fazemos juntos hoje.

Podcast Jouney Design

Não é exatamente design, mas gosto muito da coleção “Geek-Art, uma antologia”. É fascinante ver o que as pessoas podem fazer com a cultura pop-geek com suas diversas inspirações e as misturas que ela pode criar.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Você tem um designer ou um coletivo de designers que você segue nas redes sociais?

Gosto muito do estilo do Utagawa Kuniyoshi, as estampas dele são incríveis. Também estou pensando nos fotógrafos Sebastião Salgado e Réhahn Croquevielle, as fotos deles são uma loucura!

Utagawa Kuniyoshi

Takiyasha, a Bruxa e o Esqueleto Fantasma

Sebastião Salgado

Inferno do Deserto, Kuwait

Rehahn Croqueville

Foto de Bui Thi Xong, 78

No lado digital e na inspiração de interface do usuário, eu realmente aprecio o design minimalista, então vou me inspirar em vários trabalhos e designers.

Benjamim, terminamos! Obrigado novamente por nossa discussão! Deseja adicionar algo que não cobrimos?

Fizemos uma boa volta e conversamos sobre muitas coisas, então acho que estamos bem!

 

Alexa Cuellar, UX Designer @UX-Republic


Fontes de imagem: https://undraw.co/illustrations


Nossos próximos treinamentos