Encontro com Adrien, UX Designer da UX Republic.

 


Hoje, você descobrirá o retrato de Adrien. Um jovem curioso por tudo, calmo e que tem muitas paixões! Durante nosso intercâmbio, descobri seu perfil atípico, um designer científico que gosta de se aprofundar nos assuntos e vincular os conhecimentos que possui.


Olá Adrien, você pode se apresentar em poucas palavras?

Cheguei na UX Republic há três anos como UX Designer. Desde o início de 2022, também sou formadora no centro de formação UX Republic.

Qual foi o seu caminho de estudos para se tornar um UX Designer?

Passei no bacharelado científico, ciências da engenharia com opção de artes aplicadas. Após este bacharelado, fiz um DUT em ciência e engenharia de materiais, novamente com opção em artes aplicadas. De manhã estudei materiais e à tarde fiz arte aplicada. Regularmente tínhamos projetos em comum onde construímos produtos tecnologicamente viáveis, com conceitos avançados.

Eu queria impulsionar a parte conceitual, então continuei minha carreira em uma licença profissional alternando em design de produto e embalagem.
Fiz meu programa de trabalho-estudo na agência “Entreautre”, onde comecei a fazer produtos industriais e pequenas edições de objetos.

Após essa experiência, fiquei interessado em ir mais longe na parte criativa e em direção ao usuário. Como resultado, obtive um Diploma Superior de Artes Aplicadas (DSAA) em design de produto com opção em design de interação.

Você gosta de opções 🙂

Sim 🙂 cada vez há uma opção e muitas vezes a única oferecida na França! Por exemplo, este DSAA é o único a ser alternado.

Trabalhei para uma empresa especializada na comercialização de móveis onde tinha que desenhar acessórios e elementos de cozinha e casa de banho (frentes, lavatórios). Portanto, muito orientado para o produto. E no meu DSAA, eu estava fazendo produtos interativos, então comecei a trabalhar com UX-UI. Fizemos projetos conjuntos.

Então, no final dos seus estudos, você ainda tinha tocado muito pouco na UX-UI?

Naquela época, eu tinha visto um pouco durante meu DSAA, mas depois estávamos trabalhando no departamento de design em geral.

Que caminho percorreu quando entrou no mundo do trabalho?

Trabalhei como freelancer (onde fiz meu estágio) e para uma agência de design de serviços chamada Nod-A. Eu estava fazendo workshops para empresas em Lyon principalmente e muitas vezes sprints de design. Tive o papel de facilitador e designer de UX.

Após esse período de freelance, conheci pessoas de uma empresa francesa de telecomunicações que se interessaram pelo meu perfil híbrido para uma vaga em Paris. A missão estava tanto no lado da IOT quanto no lado do objeto. Então eu projetei telefones e embalagens. E, ao mesmo tempo, facilitei workshops de ideação. Depois de dois anos, eu queria ver muitas coisas e não ficar em uma empresa. Gostei do lado da consultoria, então cheguei na UX Republic.

Que missões lhe foram confiadas na UX Republic desde a sua chegada?

Trabalhei em várias missões.

Comecei com um trabalho para a Publicis, onde trabalhei para uma montadora francesa com a colaboração da Relax Media.
Foi um projeto curioso e interessante porque eu estava cercado de pessoas que construíam carros, pessoas que produziam conteúdo jornalístico e pessoas da Publicis que gerenciavam a experiência digital. Depois trabalhei para uma empresa internacional especializada em produtos de tabaco. Gostei menos do escopo da empresa, o que me incomodou um pouco, mas gostei muito da missão.
Meu objetivo era ajudá-los com o mapeamento de processos. Trabalhei diretamente com equipes de logística.

Minha missão em uma empresa de gestão de recursos para comunidades e indústrias durou dois anos e meio. Juntei-me a um laboratório de inovação em construção dentro de uma equipe de 3 pessoas (o gerente do laboratório, um cientista de dados de trabalho-estudo e eu). Havia tudo para fazer e, à medida que a equipe crescia. Depois houve aquisições, uma mudança de estratégia e assim o laboratório também mudou de identidade.

Qual foi o seu papel nesta organização?

Acompanhei-os nas iniciativas de produtos digitais: indo recolher a necessidade, fazendo os workshops e criando os primeiros modelos. No início, éramos aceleradores de projetos regionais. Éramos uma entidade nacional que ia às regiões para apurar a necessidade e ver se depois o projeto poderia ser lançado internamente. Depois, trabalhamos para a parte nacional com necessidades muito mais específicas.

Então, você trabalhou em uma ampla variedade de questões?

Sim, eu era designer para fazer tudo e era disso que eu gostava, o fato de ser transversal.

Em seguida, para onde o vento o levou?

Eu me mudei para uma empresa de desenvolvimento, publicação e distribuição de jogos em junho. Estou trabalhando na criação de um site interno acessível aos funcionários. A missão toca em muitas coisas, incluindo estratégia. E esta é a primeira vez que tenho um escopo tão amplo, internacionalmente. É um verdadeiro trampolim porque estou liderando workshops internacionais pela primeira vez.

Existe algum tipo de projeto que o intriga e para o qual você gostaria de trabalhar?

Não é algo que eu tenha identificado na base, mas percebi que tinha sua importância. Na empresa de gestão de recursos comunitários e industriais, trabalhei em questões ecológicas, às quais sou sensível, que me motivaram. Então, respondendo à sua pergunta, eu diria trabalho para o meio ambiente ou para o lado social. Mas é verdade que esses são problemas que podem ser encontrados em todos os lugares. Por exemplo, nos negócios de desenvolvimento, publicação e distribuição de jogos, há muitos colaboradores e desafios de comunicação muito fortes entre os estúdios. Digo a mim mesmo que a intranet em que trabalho permitirá que eles acessem todos os recursos, ajuda e ferramentas. Então encontro minha conta lá trabalhando pelo bem-estar dos funcionários de uma empresa.

Na UX Republic, como você nos contou no início do nosso intercâmbio, você faz parte do grupo de formadores do centro de treinamento.

O que fez você querer se tornar um treinador?

Fiz para evoluir com base na parte teórica. O papel de formador permitiu-me actualizar-me em noções onde tinha a prática mas não a teoria. Eu estava perdendo a história e o porquê. Hoje, me ajuda muito a apresentar métodos e ser professor com as pessoas com quem trabalho.

Você pode nos contar mais sobre o curso típico de um treinamento?

Em paralelo com a parte teórica, realizamos um projeto de fio condutor com os participantes. Assim temos o papel de formador mas ao mesmo tempo orientamo-los num projecto fictício que lhes permite experimentar o assunto.

O que você mais gosta no seu dia a dia?

Sempre gostei de visualizar ou tornar visível a complexidade. Aliás, é a frase que marcou a pessoa com quem passei minha entrevista na empresa de gestão dos recursos das comunidades e indústrias! Adoro mergulhar em um assunto e depois representá-lo de forma simples e torná-lo tangível para outras pessoas entenderem. Isso é realmente o que eu gosto e me motiva na profissão.

Adrien, estamos quase terminando nossa pequena troca. Antes de sairmos, gostaria de fazer algumas perguntas rápidas:

A primeira pergunta, se você tivesse que escolher entre: UX Design, UI Design ou User Research?

Adoro ser transversal, então vou ter dificuldade em escolher. Além disso, na minha missão atual, sou realmente catalogado como UX Designer e muitas vezes quero cavar e ver os outros polos, de repente, escolheria UX porque, na minha opinião, é o mais transversal. Você está entre a pesquisa do usuário e o design da interface do usuário.

Você me disse que é autodidata em Sketch e Figma, você tem uma ferramenta favorita?

Figma sem hesitação. É completo e agradável de usar.

Música ou nenhuma música quando você trabalha?

Tenho minhas fases musicais. Eu sempre amei música, eu era músico, então eu gosto. Tudo vai depender da fase em que me encontrar na missão.
Às vezes vou precisar escrever coisas, então vou precisar de som de fundo. Enquanto que, às vezes, durante a fase de interface do usuário, por exemplo, ouço um podcast.

Você tem algum podcast para nos recomendar?

Costumo ouvir o podcast produzido pela France Inter “O código mudou” de Xavier de La Porte, além disso, gosto muito do que esse jornalista faz.

A última que ouvi foi sobre moderação nas redes sociais. Muito interessante porque aprendemos mais sobre todo o negócio por trás disso. Respondeu a várias perguntas como, por exemplo, o que significa “moderar”, como proteger as pessoas da moderação, quais assuntos são afetados, como detectar que a informação é ruim e por quê.
O podcast é muito bem construído, na forma de uma entrevista com um detalhamento de acordo com seus pensamentos.

Também escuto muito FloodCasts, que reúnem pessoas do mundo do Youtube, ex-funcionários do Studio Bagel que fazem esquetes com pessoas que fazem stand-up, comediantes, atores, streamers de videogame.

Também gosto de ouvir podcasts sobre assuntos policiais e desenvolvimento pessoal.

Um livro, um filme ou um documentário em digital que o marcou e que recomendaria?

Recentemente vi a última temporada de “Love, Death and Robots” na Netflix, o que acho uma loucura. Acho o mesmo efeito de Black Mirror, com esses temas subjacentes que nos fazem pensar. E às vezes também são tapas visuais!

Você tem um designer ou um coletivo de designers que você segue nas redes sociais?

Meu artista favorito, que acho inspirador, é Tomás Saraceno. Além disso, há um episódio sobre ele em “O código mudou”. Ele é um artista que trabalha muito com o mundo científico. Ele tem várias ideias nesses projetos; ele fala sobre o conceito do Aerocene. Parte-se do postulado de que a Terra é principalmente ar e que a nova era humana deve povoar esse espaço ali. Ele, portanto, procurará formas de ocupar esse espaço. Ele também é um artista que trabalha com o MIT e que se perguntou como modelar uma estrutura de teia de aranha. Ele percebeu que isso nunca havia sido feito e então questionou muitas coisas sobre como você retrata uma aranha. Acho o trabalho dele lindo e profundo, é muito interessante.

Adriano, terminamos! Obrigado novamente pela nossa discussão! Deseja adicionar algo que não abordamos?

Não especialmente, acho que vimos muitos assuntos. Há tantas coisas que ainda poderíamos dizer, mas acho que cobrimos o essencial!

Se você quiser, podemos fazer uma segunda parte para falar sobre todas as suas paixões!

Podemos 😉

 

 


Fontes de imagem: https://undraw.co/illustrations

Alexa Cuellar, UX Designer @UX-Republic

 


Nossos próximos treinamentos